segunda-feira, 3 de abril de 2017

72 gravatas e um par de sapatilhas

Para ser gerente em uma confraria de homens é preciso salto alto. O tamanho pode variar de oito a 15 centímetros, desde que consiga se mover rapidamente. Aquelas que, como eu, preferem as sapatilhas, podem relaxar, pois não é no sapato que reside o desconforto. Apesar de minha pouca altura e aparência despojada, a renúncia ao salto não me impediu de encarar os homens de frente. E tampouco de subir o tom sempre que necessário.

Por cinco anos fui gerente de comunicação em uma federação de classe patronal e, no último, acumulei a função de diretora adjunta. Ali, homens de trinta, quarenta, sessenta e até setenta anos assumem funções e condutas diversas. Vão de bons moços a conselheiros, aprendizes de dirigentes ou simples marionetes manipuladas pelo gozo de permanecerem imóveis. Os que estiverem de acordo, permaneçam como estão, dizia o presidente ao fim da reunião. E ali ficavam, metade parasitas e metade empresários, à espera do jeton que também alimenta a classe empresarial.


Na diretoria dessa federação empresarial não tem mulher. Pode parecer ficção, mas quem já entrou em uma reunião de conselho e diretoria de empresários sabe bem do que estou falando. Setenta e dois homens de terno e em sua maioria de gravata vermelha assistem a uma reunião conduzida por três. Sim, esses sessenta e nove homens também votam, em alguma medida participam, mas boa parte daquela discussão já foi definida pela tríade antes mesmo de entrarem por aquela porta. Não há nada de sugestivo em 69 machos de terno além do número que dá consistência àquele ato ordinário.

Ali, muito aprendi sobre o exercício do poder e como ocupar esses espaços. O poder tem duas faces: a da potência e a da impotência. E para a mulher ser potente em uma confraria de homens é preciso ser um pouco macho também. O exercício do poder em uma entidade de classe empresarial exige força, coragem e condutas agressivas. Conhece aquela expressão “botar o pau na mesa”? Então, para sobreviver precisei ressignificar seu sentido e ir atrás de minha parte amputada.
Homem tem medo de mulher, repetia o diretor. A mulher tem medo de apanhar, penso eu.

É certo que em um ambiente onde os homens prevalecem e as mulheres acabam reduzidas às funções de secretárias, assistentes e assessoras, conviver harmoniosamente nem sempre é fácil. São as diferenças que pesam, é a desigualdade que se manifesta. Somos naturalmente socializadas para desenvolver comportamentos dóceis, cordatos e, em muitas situações, até subservientes. Os homens, ao contrário, sempre vinculados à força, são estimulados e preparados para o exercício do poder. A meu juízo, são algumas de nossas diferenças que, apoiadas na tradição, acabam por justificar e naturalizar desigualdades gritantes.

Contra isso é preciso elevar o tom. Sobre ter voz, uma de minhas experiências mais significantes aconteceu em uma reunião de vice-presidência regional, quando todos os problemas da classe empresarial foram atribuídos à suposta ineficácia da comunicação. Tal qual os outros gerentes, eu tinha que render contas do meu trabalho e, ainda que assuntos de ordem jurídica, sindical e financeira tivessem maior abrangência e impacto na política da entidade, fui hostilizada do início ao fim por um grupo de dirigentes patronais. Eu entendia a razão do escracho dirigido a mim e, de igual modo, sabia que não era a comunicação empresarial o cerne do problema, mas resolvi jogar aquela partida. Em minha defesa, apontei a ausência de diretriz e de ação política e a lentidão com que as coisas eram decididas. Fui interrompida inúmeras vezes. Interrompi outras incontáveis como se fosse um bate-boca de bar. Outros diretores mantiveram-se em silêncio, quase em óbito, apenas virando a cabeça de um extremo ao outro da mesa assistindo a verborragia. Naquelas circunstâncias não era a questão de classe que gritava. Era a desigualdade de gênero que despontava. A classe empresarial, da qual participam também aqueles trabalhadores que ideologicamente se mantém alienados e firmes na defesa do patronato, pouco discorda entre si.  É um conjunto de condutas e acordos tácitos que impede que eles discordem por muito tempo. Assim, para manter a cordialidade entre os seus, o que é mais ameno e confortável? Apunhalar a mulher.
Ao fim da disputa, no intervalo para o café, os machos estavam dóceis e apaziguadores. – Então hoje te pegaram para cristo, um deles fez graça. Não, apenas somaram as nossas diferenças de classe à nossa desigualdade de gênero.

Logo que assumi a função, um diretor fez referência à minha roupa. Muito linho e algodão para pouca alfaiataria. Tal como o terno escuro, camisa branca e gravata vermelha dão ar de confiabilidade e poder ao sujeito, a alfaiataria e o salto alto estereotipam o mesmo. Resisti com meu jeans e sapatilha. É uma situação a qual nem sempre sabemos e podemos responder. A garantia do emprego é também uma necessidade vital, e isso vale tanto para mulheres como para homens sujeitos à exploração e à dominação.

Nessa entidade de classe os homens não têm medo de cometer assédio. Talvez o patriarcado esteja de tal modo incrustado que eles não percebam sua significação e suas implicações. Ou também se apoiam no pequeno poder como garantia de impunidade. Mandam flores, fazem pequenas investidas, elogios, cantadas, piadas sexistas, tentam, tentam e uma vez mais tentam. E as mulheres muitas vezes calam, toleram e naturalizam o absurdo por medo de cometer uma indelicadeza com o chefe. Perdoem-me as manas, mas nessas horas a sororidade só existe no dicionário. Diante de uma estrutura de poder sexista, a anuência das mulheres em torno do macho é muitas vezes vista com naturalidade, enquanto a empatia entre as mulheres é quase privilégio da lucidez política.

Aquele “homem tem medo de mulher” ainda martela em mim agora. De fato, é como alertou Galeano numa tirada psicanalítica: “el miedo de la mujer a la violencia del hombre es el espejo del miedo del hombre a la mujer sin miedo”.

[Texto publicado no Catarinas, portal especializado em jornalismo com perspectiva de gênero. No Portal Catarinas, pode ser lido aqui].